Parangolés: movimento e participação na criação da obra

Hélio Oiticica ao descrever a obra Parangolé dizia que “ o objetivo é dar ao público a chance de deixar de ser público espectador, de fora, para participante na atividade criadora”. Parangolés são para dançar, criar e movimentar. São objetos para vestir e participar. A obra só existe plenamente com a participação corporal. Pertence a ação. Durante as aulas de Artes Visuais, os alunos do 3º ano experimentaram o caráter de vivência na obra. O envolvimento se fez. Era necessário para a obra existir. Em grupos foram criando a obra e virando obra, extinguindo a distância entre obra e observador. #parangolés #heliooticica #fundamentalI #2ºbimestre

Composição coletiva: um mergulho sonoro nas indiginalidades

Música dos povos da floresta foi um tema abordado junto às turmas do 1º ano, um mergulho sonoro nas indiginalidades. Sendo a música um elemento presente nos rituais dos povos originários, propusemos aos alunos que criassem, mediante todo o material sonoro experienciado ao longo dos encontros, o seu próprio ritual. As turmas criaram sua música e sua movimentação, tocando os instrumentos percussivos a sua escolha, e assim puderam experienciar a marcação do pulso e tempo forte e trabalhar seu protagonismo artístico e criativo. #povosorigináros #decolonidade #fundamentalI #2ºbimestre

Da cena ao texto teatral: transformando os improvisos em texto teatral

As composições cênicas do 1º bimestre, inspiradas nas reflexões sobre a frase “A arte existe para que a realidade não nos destrua”, continuaram reverberando em nossos encontros do 2º bimestre. Após as apresentações, as turmas formaram uma grande roda de conversa, na qual traçaram um análise crítica sobre as encenações e propuseram uns aos outros sugestões para o alargamento da teatralidade das cenas apresentadas. Um momento enriquecedor, de escuta e trocas, em que puderam vivenciar o diálogo e a ideia de cooperação e coletividade. Ao final da conversa, os grupos foram retomados e reapresentaram suas composições já transformadas. A par e passo, as turmas entraram em contato com o gênero

Maré alta ou maré cheia?

Unidades: Tijuca / Freguesia Objetivos: Apreciar ativamente a canção "O Barquinho" e identificar o parâmetro sonoro (Altura). Iniciamos a atividade apreciando de forma ativa a canção "O Barquinho" do compositor Roberto Menescal, em seguida partimos para uma produção de barcos de origame para compor o nosso mar musical. Cada barquinho produzido ganhou a identidade do seu dono, cores e desenhos os deixaram prontos para a última etapa da atividade que consiste no jogo das MARÉS. Com um mar musical feito de tecido azul e os barquinhos posicionados sobre ele, o professor pede para que os alunos em forte voz o pergunte - MARÉ ALTA OU MARÉ BAIXA? - logo após, a professora reproduz um som vocal q

Deixe sua
mensagem

© 2017. Todos os direitos são reservados

Concepção e criação do projeto  Janaína Russeff

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now